Internacional

Resenha: Resistência

09:00


Caramba, o que falar deste livro para vocês? Sinceramente, estou aqui escrevendo e ainda pensando o que realmente falar, é um misto tão grande de sentimentos que esse livro me dispôs que estou mais do que confusa. Mas eu, sendo eu, irei tentar da melhor maneira possível expor o que achei desse livro que vale ser lido por todos que conseguirem obtê-lo.


Título: Resistência
Autor(a): Affinity Konar
Editor: Rocco
Páginas: 320
Ano de Publicação: 2017
Gênero: Romance
Nota: 5/5
Obs: Livro cedido em parceria com a editora.Sinopse: Auschwitz, 1944. As gêmeas Pearl e Stasha têm 12 anos quando desembarcam no campo de concentração nazista na Polônia. à medida que conhecem o horror e têm suas identidades fraturadas pela dor e sofrimento, tentam confortar uma à outra e criam códigos e jogos para se proteger e recuperar parte da infância deixada para trás. Mas quando Pearl desaparece sem deixar pistas, Stasha se recusa a acreditar que a irmã esteja morta e embarca numa jornada desesperada em busca de justiça, paz e de si mesma. Livro notável pelo The New York Times; Livro do Ano pela Amazon e pela Publishers Weekly; indicação de leitura dos principais veículos de imprensa norte-americanos, Resistência narra, com uma voz poderosa e única, a trajetória de duas irmãs lutando pela sobrevivência em um dos períodos mais devastadores da história contemporânea e mostra que há beleza e esperança até diante do caos.
O livro já começa em uma época que é extremamente tensa, 1944, Segunda Guerra Mundial, logo em Auschwitz. É, por aí já podem começar a entender como esse livro mexe com qualquer pessoa que leia. Ainda mais que a história foi inspirada em fatos reais, pessoas que realmente passaram por aquele inferno e sentiram toda a dor. Dá para entender o que as irmãs gêmeas Eva e Miriam Mozes passaram.

O livro foi dividido em duas fases, e com capítulos alternando ora por Pearl, ora por Stasha. Afinal são elas que irão nos contar essa história. Na primeira fase iremos acompanhar desde o início de Auschwitz até sua queda, em 1945. Já que na primeira parte acompanhamos os piores momentos que uma criança ou qualquer outra pessoa deveria passar na vida, na segunda iremos acompanhar as sequelas que daqueles que sobreviveram tiveram que lhe dar.
"– Sua primeira tarefa na aula é aprender os nomes das outras crianças. Recitem os nomes uma para a outra. Quando chegar uma nova criança, aprendam o nome dela também. Quando uma criança nos deixar, lembrem-se do nome dela também."
Não é novidade para ninguém que fatos ocorridos naquela época foram mais do que desumanos, atrocidades feitas por um sádico que conhecemos muito bem chamado: Josef Mengele. Pelo fato de serem gêmeas, algo que o médico apreciava muito, elas são levadas para um local chamado de “zoológico”, mas lá não tinha só gêmeos, também se encontrava o nanismo, o albinismo, entre outras “anomalias” genéticas. Isso na verdade fascinava o médico, e com isso ele usava essas pessoas para suas experiências brutais, macabras e doentias. Seu apelido como muitos devem saber era “ Anjo da Morte”.

Foi no zoológico que a infância dessas meninas fora roubada, tendo somente suas lembranças de momentos com sua família, e as brincadeiras que faziam com seu avô, isso era a única escapatória que elas tinham. E com isso claro elas conseguiam se “desligar” mesmo que momentaneamente do horror que viviam. E tinha também o Pai dos Gêmeos, ele que tinha a obrigação de observar e controlar cada gêmeo que surgia no campo, e independente da situação fazia o possível para que as crianças se lembrassem de quem eram de verdade.


A segunda parte já é as consequências de que tudo isso deu a cada um. As cicatrizes que não só as gêmeas em questão carregaram, mas também todos os sobreviventes, as inseguranças. Se reerguer depois de tudo que passaram não foi fácil, foi amargo.

Conseguimos acompanhar o que ambas sentem dentro das atrocidades que lhe são passadas, o que elas fazem para tentar manter ainda um pouco de suas criações e doçuras. Mas é claro que conseguimos notar que não é tão fácil quanto parece. Os horrores vividos que passaram na mão do Anjo da Morte são de deixar o coração na mão.

Para mim foi uma leitura muito complicada de se fazer, mas não por ser ruim, pois não é, mas pelo tema abordado, eu disse no início do ano que iria me aventurar em outros gêneros e assim tenho feito, mas esse livro em particular mexeu tanto comigo que até agora não sabendo me definir. Eu consegui ver um lado mais sombrio que uma pessoa pode causar na outra. Os experimentos as torturas, aí gente só de pensar eu já sinto um aperto no coração. Mas apesar de todo esse sofrimento, ainda somos capazes de encontrar amor, solidariedade, carinho e proteção, basta procurarmos no lugar correto.
"-Vamos tentar de novo - disse Stasha.
Eu não precisei terminar a frase dela. Eu sabia sabia o que queria dizer: que tínhamos de aprender a amar o mundo novamente."
Então me desculpem se essa resenha tiver parecido um tanto confusa para vocês, mas é que para mim foi muito dificil ler tudo isso e sentir tudo que senti e ainda pensar em uma maneira plausível para expor para todos. Mas peço, leiam, por favor.

Beijos

Você vai gostar de ler também...

10 comentários

  1. Oiiiamiga tudo bem?
    Acho que finalmente nos esbarramos em um livro que eu tambem adoraria ler, eu sou apaixonada por tudo que envolva assuntos sobre nazismos, então sobre o campo de concentração me deixou mais animada, quero ler e assim vivenciar como foi que aguentaram toda a barra daquela época, ótima resenha e lindas fotos amiga.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Esse livro parece ser incrível e bem forte. Sua resenha me deixou bem curiosa pois apesar de não estar habituada com esse gênero, esse livro me chamou muito a atenção;

    Bjs

    https://blog-myselfhere.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oie,
    Acho que eu terminaria essa leitura e ficaria que nem você... sem saber como reagir a ela. Me parece ser um livro espetacular, mas ao mesmo tempo muito pesado, carregado de crueldade. Vendo a capa eu nem imaginaria. rsrsrs
    Beijos
    Blog Relicário de Papel

    ResponderExcluir
  4. Eu não tive a chance de ler esse livro, mas todo mundo que está lendo fala coisas maravilhosas dele. Mesmo tema não sendo um que me atrai muito, eu realmente estou curiosa para fazer essa leitura.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oii
    Realmente o livro parece ser bem forte. Nunca li nada com essa temática, mas desejo muito. Acho ótimo quando o livro mexe com a gente!
    Bjus

    ResponderExcluir
  6. Oooi, tudo bem?
    Nossa fiquei louca para ler o livro! Adoro livro assim, principalmente quando relacionado ao nazismo!
    Dica anotada! Beijos 😘

    ResponderExcluir
  7. Oie
    sei bem como é quando a leitura fica meio confusa haha e acontece as vezes de eu até gostar por mais confusa que esteja. Parabéns pela sinceridade e parece ser um livro bem emocionante

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Só tenho lido resenhas positivas desse livro. Não te preocupas, teu texto ficou ótimo. Conseguimos sentir um pouco dos teus sentimentos em relação à leitura. É sempre muito dolorido mesmo ler sobre guerras, torturas, campos de concentração.
    Quero muito ler esse livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Todas as resenhas até agora que li da obra foram muito positivas. Desde o lançamento que estou de olho nela mas ainda não consegui nem adquirir muito menos fazer a leitura rsrs
    O período histórico da segunda guerra é um dos poucos que conseguem despertar minha atenção e tenho certeza de que acompanhar as gêmeas no decorrer da trama causa uma grande onde de sentimentos! Adorei sua resenha.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  10. Entendo perfeitamente o sentimento de não conseguir fazer resenha de um livro que amei demais.
    Antes do lançamento já estava de olho nesse livro, agora li essa primeira resenha dele e ele já passou na frente de outros na fila de prioridade.
    Adorei os trechos que destacou, em especial o último, que quase me fez chorar haha fico imaginando a luta de uma pessoa que passou por tantas coisas horríveis para voltar a acreditar e amar o mundo.
    Só não entendi bem se o Pai dos gêmeos é "do bem" ou do mal...
    Beijos!

    ResponderExcluir

//]]>